sexta-feira, 28 de novembro de 2014

terça-feira, 25 de novembro de 2014

A scumbag body will always be a scumbag body

Desde já, agradeço-te sistema imunitário, pois já desde o início do ano que não ficava doente e isso é para mim um recorde pessoal. Mas pá, decidires, tal como no ano passado, falhar-me em vésperas das grandes festas de Natal com os amigos e colegas (+ concerto dos Kasabian), não se admite, eh pá, não se admite.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

... but on the bright side

Se alguma vez pensares que vais morrer sozinho e não és suficientemente bom para alguém (porque sei lá, não tens carro próprio ou um bom emprego, ou deixas juntar a loiça suja), pensa que neste mundo há uma cachopa de 26 anos que se quer, e vai, casar com o Charles Manson.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Coisas de ser bilingue

Quando vi esta cena no recente episódio de Modern Family, identifiquei-me tanto. E quantas vezes isto me passa pela cabeça. Qualquer dia exteriorizo como a Sofia. E o pior é que só as pessoas que apenas sabem falar uma língua (e não têm interesse algum em aprender outra) são as que julgam a nossa maneira de falar.


Para mim, é mais frustrante ainda, porque as palavras são a minha vida, sempre foram. E muitas vezes tenho vontade de voltar para Portugal e enfrentar todas as dificuldades e injustiças do nosso mercado de trabalho, só pelo simples facto de poder falar e escrever na minha língua, de poder fazer o que amo, de trabalhar com palavras, mesmo que seja um apenas hobbie, porque sei que nunca vou conseguir fazer em Inglês, aquilo que faço em Português. Coisas de uma ex-jornalista e radialista.
Do you know how smart I am in Portuguese? Of course you don't.

sábado, 15 de novembro de 2014

E só já sobram mais três dias de férias

Hoje foi dia de ir dizer adeus às poppies na Torre de Londres, e dizer olá ao urso de Paddington no Borough Market (há mais 49 ursinhos espalhados pela cidade), ainda com tempo de ir ao pub em modo sóbrio (estou a poupar-me para as festas natalinas) beber um english tea e ver o Inglaterra-Eslovénia. Feito.

 


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Coisas que não têm preço



Aquelas manhãs de chuva em que não tens que trabalhar e podes ficar na cama a ouvi-la cair.

Agreed

"Finalmente, as pessoas felizes seguem suas paixões. Se elas acordarem e perceberem que estão insatisfeitas com seus trabalhos, elas não têm medo de deixá-los para perseguir algo que elas realmente se importam. Elas assumem o risco e podem até fracassar, mas as pessoas felizes não têm medo de colocar seu pescoço para fora e perseguir o que todo mundo está com medo."

http://www.contioutra.com/8-coisas-que-pessoas-mais-felizes-fazem-mas-nao-comentam/


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Aquelas tardes de Novembro...

Nem sei o que vos diga. Continuo na louca vida citadina. Tenho feito umas coisas fixes de vez em quando, sim. Coisas parvas também têm acontecido, com certeza. Mas não tenho tido aquela ansiedade de escrever sobre as coisas. E isso não é bom, porque eu preciso de escrever, de desenferrujar o vocabulário e os meus pensamentos. por falar em desenferrujar o vocabulário, mal posso esperar por chegar a Portugal daqui a um mês e ir à biblioteca buscar três ou quatro livros. Ler em Português!! Oh minha nossa, que falta me faz.

Estou agora em férias. O meu contrato termina no fim do ano, e ainda tinha uma semana e tal para tirar. Quando penso nisso, este ano só parei em Abril para ir a casa, e em Setembro quando fui para a Grécia ficar mais velha. Não é de surpreender que ande a perder o juízo. Vá, estou a tentar recuperá-lo agora. Queria estudar um pouquito de Francês nestas férias, mas visto que já vamos em quarta-feira e ainda não peguei na "grammaire", as minhas chances de evoluir alguma coisa nestes dias já não são altas. Mas sem stress. Hoje, pela primeira vez, vim para a biblioteca escrever. Isto de vir para a biblioteca ou o café é pois bem mais produtivo que ficar em casa a tentar escrever/estudar/ler alguma coisa de jeito enquanto como que nem uma bruta ou vejo episódios de "How To Get Away With Murder" ao mesmo tempo. Ctx Ctx para mim. [ctx ctx é o som de chicotadas para quem desconheça esta onomatopeia]. Oh Meu Deus, há quanto tempo eu não usava a palavra "onomatopeia", uma tarde na biblioteca e já estou mais inteligente.

Continuo sem grandes planos para o futuro. Mas apesar de não ter planos, estou entusiasmada. Faz sentido? Bom, se calhar até faz um bocadinho, visto que tive a coragem de me demitir do meu trabalho aborrecido e que vou passar três semanas com a família. A inteira época de festas natalinas em casa, já lá vai muito tempo. Vá, desde 2010. Depois disso, estou livre para fazer o que seja. Bem, mais-ou-menos. Vou voltar para Londres, por isso vou procurar um trabalho cá. O meu chefe já me ofereceu umas horas em Janeiro, o que é perfeito, porque não vou ficar desempregada e sempre tenho alguma coisa até encontrar the next thing. De resto, estou disposta a lutar por aquilo que sempre quis fazer, mesmo que seja como um hobbie. Um dia ainda vou subir o botão do pivot outra vez, ai digo-vos que vou! Mas por enquanto, vamos passo a passo, que já lá vão uns bons anos que não faço nada a ver com rádio. E espero que em 2015 faça muitas mais viagens, porque este ano foi bem calminho nesse aspecto. Então pronto, ando entusiasmada com estas coisas todas. Ando entusiasmada com o fim de um ciclo e o início de outro.

Também por falar em fim de ciclo, sim, lá mudei o endereço e título do blog mais uma vez. Dizem que à terceira é de vez! Este vai mais ao encontro do título que usava inicialmente no blog, em português e mais parvo, como eu. "Oh menina Elsa!" é como a minha mãe e alguns outros me chamam, quando faço alguma asneira, por isso achei que tem tudo a ver. E vai ser engraçado escrever com o meu nome e não escondida atrás de uma espécie de heterónimo/superego. Ainda podemos conversar com um caneca de chá, nonetheless.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Acabei de trair a Amazon com a Groupon e deu nisto

"Thanks for your purchase! Like a timid ghost or a 1997 text message, your Groupon may take a few minutes to appear, but we'll email you as soon as it's ready."

No site da Groupon. Gosto de quando os serviços adicionam uma pitada de humor às suas funcionalidades. Faz a diferença. Faz rir e alegra o dia.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Numa qualquer manhã de Inverno

Às vezes chegamos àquele momento, em que temos aquela sensação do beco sem saída. É um pouco diferente quando já estivémos lá mais vezes. E conseguimos sair. Sabemos que desta vez vai ser o mesmo... de uma maneira ou outra vamos sair deste "interregno". Mas depois descabelamo-nos é a pensar, mas quando? Vai demorar? Como? Sem planos, o que importa é começar a abandonar o que não queremos, o que nos faz mal. O resto vai vir e vai acontecer, o que importa é procurar sair do momento. O que importa é não parar. Mas acima de tudo ter muita paciência. Aceitar que hoje ainda não é o dia. Mas vai sê-lo. Brevemente. Mais cedo do que há uns tempos atrás, e mais próximo a cada dia. É importante lembrarmo-nos que o futuro vai ser sempre risonho quando não estamos felizes. Ou vá, quando estamos um pouco menos felizes do que aquilo que e sabemos que poderíamos estar. Porque já passámos por lá. Por esses anoiteceres e amanheceres. E por alguma razão hoje ainda não é o dia. Porque é hoje que moldamos o amanhã. Em que incubamos a nossa alma para estar à altura dos desafios que virão, dos desafios pelos quais desejamos. E os quais temos que desejar, e vamos desejando cada vez mais. Porque o hoje e todos os "hojes" contam, e não podem deixar de contar. Viver o hoje, abrindo os braços para o amanhã. O dia que vai chegar numa qualquer manhã de Inverno.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Então já se passaram três anos






Três anos de novas experiências, novos amigos, velhos amigos, novos lugares, alegrias e desilusões, chegadas e despedidas, multidões e solidão. Três anos a caminhar sem destino pela cidade e a perder-me voluntária ou involuntariamente. Três anos a encontrar-me a mim mesma. Três anos de uma relação amor/ódio (mais amor que ódio, mas tive os meus momentos) com esta cidade inevitavelmente viciante. Cidade que ainda não estou pronta para abandonar. Pelo menos não agora.



sábado, 13 de setembro de 2014

Só fiquei a saber disto hoje

Alguém sabia que este ano Portugal ganhou o Festival Europeu da Canção para deficientes mentais?
Eles é que mostram como se faz, àqueles iluminados que todos os anos concorrem ao Festival dos "atrasados mentais".



P.S.- Reconheci o concorrente do Reino Unido! É um jovem autista que há pouco tempo vi num programa de televisão para arranjar uma namorada, tão fofo.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Grécia, Grécia

Terra do azeite, do iogurte e do queijo de cabra e ovelha.
Passei lá uma semana divertida e relaxante. Vi muitos pores do sol. O mar é tudo o que se pode pedir, água quentinha e transparente. O sol de Setembro é como em Portugal, daqueles que ainda dá para esturrar na praia, e a brisa quente dos finais de tarde, a melhor forma de acabar o dia na praia e nos despertar o apeite para o jantar. Pronto, é quase o paraíso. Nunca tinha passado assim uma semana inteira de férias na praia, e se antes por momentos, pensei que me ia aborrecer, estava bem enganada. Ainda tinha lá ficado mais alguns dias. Matei saudades de comer boa fruta, Os tomates, senhores, os tomates! Haha. Tão bons como os portugueses, aqueles que nem precisam de sal.

Os Gregos são simpáticos, e pelo menos em Malia, não devem estar habituadas a turistas portugueses, porque nos faziam sempre uma festa (claro que nós lhe devemos trazer boas recordações por causa do Euro), mas é algo diferente entre todos os Alemães que enchem as praias, e os Ingleses que enchem os bares.
E achei até engraçado e pitoresco, como lá as pessoas ainda têm aquela atitude muito "sul da Europa", como era Portugal aqui há uns anos, e ainda é nas terras mais pequenas. Ainda se fuma em todo o lado por lá, mas os recepcionistas do hotel a pegar nos nossos passaportes com um cigarro na mão, ou até no café nos servirem de cigarro na mão é qualquer coisa. Welcome to the south. E o pessoal a levar os putos pendurados na motas, um à frente e outro atrás, e vamos embora. Haha. E claro, não há ninguém que pare na passadeira para deixar os peões passar. Pff. Peões? Qué isso? Estes malucos que andam a pé, que esperem.
E fora de contexto, os supermercados por lá são caros que até dói. Foi a única coisa que senti falta, os precinhos dos supermercados ingleses.

Depois, há gatos por todo o lado. Os Gregos devem adorar gatos, porque até nas lojas de souvenirs havia muitas coisas com gatos. Eu perdi a conta a quantos gatos fiz festas aqui e ali. E no nosso hotel tínhamos cães a guardar-nos, uma cadela, a Lisa, e um cão que apelidámos de Sócrates porque não sabíamos o nome, e claro, também matei as saudades de fazer festas a cães. É que em Inglaterra é ao contrário de todo o lado, os gatos são fáceis (uns oferecidos) e os cães não ligam nenhuma às pessoas (basicamente já têm mimos de sobra dos donos).

Festejei o meu aniversário por lá a começar com um banho no mar à meia-noite. Calma, o mar é calmo! E nós não somos malucas. Tive o meu jantar de anos num restaurante à beira-mar com quantidades enormes de comida (nossas senhora, tantas lulas para uma barriga só) e ainda me ofereceram a sobremesa, e nessa noite viam-se fogos de artifício do outro lado da praia. Inesquecível.

No noite antes de virmos embora ainda fomos a um segundo mergulho nocturno no mar para a despedida. E no último dia, como o nosso vôo era bastante tarde, tivémos tempo para as ruínas e o Parque Arqueológico. Algo cultural, já que a semana tinha só sido praia e boa vida.

E pronto, agora mais uns dias de descanso (vou aproveitar para fazer arrumações, ler, e ver muitos filmes), depois mais um aniversário (o da minha chegada a Londres) e depois sim, regresso ao trabalho.


A 'marela!

Cá está um nos nossos amigos felinos





O Sócrates e a Lisa

Sunset

O senhor do bar preparou-nos um cantinho para ver o jogo de Portugal, 94 minutos das nossas vidas que não vamos recuperar

More sunset

Praia

Piscina

Thalassa Restaurant, Malia

Croissanzilla, o maior croissant que alguma vez comi

Basicamente, um Calippo de morango dentro de um copo

Leitura de férias, Gone Girl, ansiosamente à espera do filme que estreia em Outubro
Bolinho

Comida boa

Iogurte grego e licor
Na loja de gelados mais fofa

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Kalimera!!

Estou de regresso à realidade! E que luxo poder deitar papel higiénico à sanita... Ok, eu posso explicar. É que na ilha de Creta, não se pode deitar papel à sanita, e pronto, foi assim um dos pontos altos da férias. Foi nada. Foram umas férias maravilhosas e logo partilho algumas fotos. Não me interessa que não vos interesse, hão de levar com as fotos na mesma. Porque é que estão aqui???

E por falar em estar aqui. Decidi pôr o meu blog privado, e neste momento não faço a mínima ideia se VOCÊS membros que têm o lindo gesto de me seguir PUBLICAMENTE (e agradeço-vos muito isso) conseguem continuar a ler o meu blog, por isso vou ter que andar a recolher e-mails por aí :) Agradeço desde já a vossa cooperação!

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Good ol'September

Trinta dias. Trinta boas desculpas para cantarolar esta música.

The Long Walk


Fechei o mês de Agosto num cenário de conto-de-fadas, Já é a terceira vez que visito Windsor, e encanta-me sempre a terrinha da Elizabeth. É que até as famílias e os turistas aqui são fofinhos e bem-comportados. Ainda não foi desta que percorri o Long Walk do início ao fim.
O Long Walk é o caminho em linha recta que atravessa o Windsor Great Park. Tem quase nove quilómetros e estende-se de uma das encostas da vila até um do portões do castelo de Windsor. É pena a imagem do telefone não ser grande coisa, mas aquela relva é a coisa mais verde que já vi na minha vida. Um encanto de verde.
Eu acho que se vivesse em Windsor, era capaz de ter mais motivação para correr.

 Aqui fica uma fotozinha delicadamente roubada da Internet!


domingo, 31 de agosto de 2014

Mas depois pensamos nas coisas que só acontecem em Londres como...

...a minha partner in crime ganhar bilhetes para ir ver os The Kooks ao vivo num espaço para pouco mais de uma centena de pessoas. Chegarmos lá e ainda receber "tokens" para três cocktails à borlix.


E beber piña colada directamente de um côco. E sim, foi emocionante, porque eu nunca bebi nada de dentro de um côco, mas dá um estilo do caraças. O concerto foi óptimo, e como era de esperar, o momento alto foi quando tocaram a "Naive", mas será que toda a gente adora o raio da música? Também vibrei com a "Around Town", que das novas que ouvi, é sem dúvida a que mais gosto. E ao sair, ainda tivémos direito a mais freebies! Foi sem dúvida a melhor forma de começar as férias.

Amanhã Windsor, siga!

domingo, 24 de agosto de 2014

Double D's



Vamos lá desmistificar o que é isto de ser uma mulher com peito grande.
Habitualmente, as mulheres de peito pequeno olham para nós como se fôssemos unicórnios. Umas sortudas que tiveram dado a coisa que muitas mulheres mais querem. Pensam que temos tudo facilitado. Que chamamos a atenção onde quer que vamos. Que os homens ficam sempre de queixo caído. Que temos uma auto-estima do caraças. Basicamente que ganhámos a lotaria à nascença, ou melhor, na puberdade. Pois que não. Que nada. Somos iguais, sentimo-nos iguais no que toca às inseguranças com o corpo. Temos é inseguranças diferentes. A auto-estima de uma rapariga com copa DD pode ser uma merda, deixem que eu vos diga. E não, não deslumbramos, nem conseguimos o que queremos só por mostrar um decote. Primeiro, muitas de nós têm vergonha de usar decote. Porque mulher de peito pequeno com decote é elegante, mas mulher de peito grande com decote é putinha. O que tem piada porque uma camisa decotada é o que fica melhor num peito grande e atenua o tamanho. Na verdade, este é só uma das barreiras que encontramos.
Depois também há limitação em vários exercícios físicos. Resolvida por um bom soutien de suporte que custa os olhos da cara, e resolve a vida das amadoras. Alguma vez viram uma ginasta ou atleta de alta competição com o peito grande? Não, porque não podemos sonhar com isso. E comprar soutiens bonitinhos??? Uma tarefa não impossível, mas bem complicada. Principalmente em Portugal, chiça! No Reino Unido, felizmente, há bastante escolha, porque as mulheres aqui, em norma, têm o busto maior (e aleluia que encontrei a minha alcateia). E depois a imagem... Imaginem uma mulher de peito grande a fazer carreira intelectual, financeira, política? O que têm de se esforçar e aturar para se provar a si mesmas como mulheres, mas como se não bastasse, para provar que não são "só um par de mamas"? E que as suas escolhas de carreira não estão apenas limitadas ao cinema porno... Ah, então e o sexo masculino? Não, ao contrário do que possa ser dito, nem todos os homens gostam de mamas grandes. E depois há os homens que olham para nós e só pensam em sexo, sexo, sexo (modo zombie), seeeeeeexo. Podemos falar de Rembrandt ou de Teoria Quântica, ou salvar o planeta enquanto fazemos um soufflé, mas na cabeça deles somos só sexo. E depois a roupa... E aqui entra a indústria da moda, e as imagens que recebemos dos mass media afectam imenso. Camisas lindas, vestidos lindos, mas tudo num corte feito para mulheres lisas, as modelos de alta costura são uns palitos sem peito, que se podem dar ao luxo de não usar soutien (sim, isso é um luxo). E damos por nós a querer ser aquelas actrizes francesas (não a Brigitte, obviamente), tão elegantes e despreocupadas a usar Chanel e a saltitar como mariposas.
E quando as minhas amigas dizem que queriam ter um peito como o meu, não imaginam a quantidade de vezes que eu sonhei ter um peito como o delas. Quer dizer, imaginam, porque eu faço questão de lhes dizer, mas mesmo assim não entendem. Agora que já sou crescidinha, e se há coisa boa que isso traz, é segurança naquilo que somos, não me preocupo mais com isso. Já deixou de ser um complexo, e cada vez mais o vou encarando como um atributo.
Ah pois! Mas isso porque as coisas têm vindo a mudar um pouco. Nos anos 90 e 2000 era moda ter o peito pequeno, mas recentemente, pouco a pouco, o peito grande está a marcar território (atenção, isto não é uma competição), graças a umas quantas cachopas talentosas, inteligentes e lindas de morrer. Kat Dennings, Christina Hendricks, Salma Hayek, Scarlett Johansson, Sofia Vergara, Katy Perry... obrigada por existirem, vocês são o máximo! Mas obrigada principalmente à menina da capa lá de cima, Kate Upton, que veio fazer a verdadeira revolução das mamocas, pondo as dela na alta costura, desfilando para nomes como Karl Lagerfeld, sendo capa da Vogue, já vão umas duas ou três vezes. E oh pá, é que isto das passereles a mim não me interessa nada, que eu não pesco nada disso, mas afecta a forma como a sociedade vê o corpo feminino, logo sim, afecta-me. A Kate é linda, e ela faz o que faz porque é bonita como o caraças. Que interessa se é peito pequeno ou peito grande? Ou mais ou menos curvas? Somos todas bonitas como o caraças e pronto. Ser mulher é vir em todas as formas e feitios, assim como a fruta que vem das quintas biológicas, e é a melhor, ha!
Seja A, B, C, D, E, F, ou Z. Get over it.

Desculpem lá o texto meio descabido, por vezes um pouco disparatado. Para compensar, tomem lá mamas!

Christina Hendricks, um charme

Scarlet Johansson, pretty in scarlet

Kat Dennings, wow
Salma Hayek, ay ay ay!
Kate Upton, almost topless and not giving a shit

Kelly Brook ou que sonho de mulher

Nigella Lawson ou que sonho de Milf



sábado, 23 de agosto de 2014

E de pensar que a única celebridade com quem falei aqui foi o Manzarra*

Ontem cheguei ao trabalho e ao falar com a minha colega:

Ela - "I'm so tired today, I went home at 8 in the morning"
Eu - "Really? What have you been up to, you crazy?!"
Ela - "Well I just went out to have a few drinks with my friends and we endep up chilling with the Queens of The Stone Age in their hotel room!! We met them in Soho and they invited us to the hotel!"
Eu -

"You know what I did last night? I watched a brazilian soap opera and drank camomile tea, and you randomly ran into the Queens of the Stone Age, and met Josh Homme, who is like, a rock n' roll god, and got to spend the whole night chilling with the band?? Thank you for ruining my day, and for making me put my whole life into perspective..."


E a cachopa só tem 18 anos. Buah.

Mas pronto, agora já passou.

* Já vi outras tantas mas nunca falei com elas. Na verdade, nem sou dada a celebridades. Tirando este meu lado groupie, mas nunca tenho estes encontros de terceiro grau. Há uns dois ou quase três anos atrás, a minha amiga conheceu o Johnny Rotten na zona de fumadores de um bar e estiveram a falar do tempo.... Qualquer dia conto o episódio do Manzarra, é simpático o moço.



segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Summer? What summer?

Pois é, por cá como somos muito avançados, já estamos no Outono. Quando começou a arrefecer o tempo, eu bem disse que o Verão já tinha ido e todos me diziam "não, ainda volta, isto é sempre assim". É sempre assim, o caraças. Já é o meu terceiro verão no Reino Unido, já sei um bocadinho do que falo. O verão é no mês de Julho e pronto. Onze meses de Inverno e um de Verão. Ok, dez meses de inverno, um de verão e outro assim assim. Tirando o ano passado que foi mesmo um verão muito bom, em que Julho até houve por aqui carros a derreter, e que se prolongou um pouco mais e tivémos direito a um Agostinho bem ameno. Este ano voltamos à normalidade. E quando no mês de Agosto começa a fazer frio, não há volta a dar. Eu bem lhes disse. Eu bem os avisei. E eles "não, não...", mas olha, agora, larpam, porque as notícias dão conta que as temperaturas vão continuar a descer e até que este ano, o Inverno vai chegar AINDA mais cedo. No shit, Sherlock. Esta semana a máxima são 19º. 19º!! A coisa está de tal maneira, que mesmo dentro de casa já só ando bem de manga comprida, e só penso em beber cházinho quente e comer biscoitos ao chegar a casa. Hoje fui às compras e parei na secção dos gelados, e estava tudo em promoção, mas não comprei porque não me apetece comer gelado, a mim!! [comprei um double chocolate cake e já marchou]
Quercásaber, daqui a duas semanas estou a torrar na praia e a beber cocktails, porque como cantava lá o chavalo dos Morangos com Açúcar, "e o meu verão não acabooou".




quinta-feira, 14 de agosto de 2014

"Life in that beautiful, crazy and infuriating city continues"



"Like countless others I had a love/hate relationship with London. I struggled for months to find a permanent job, a decent flat, functional housemates and a solid group of friends. There were days when I'd seriously question why people chose to live in a city that ate me up and spat me out at the best of times, where simple tasks were a constant battle. But gradually that cold, grey capital drew me in and seduced me one day, one month, then one year at a time. I felt like London was the world and the world was at my fingertips."

Retirado deste belíssimo texto por Ashleigh Davis.

Ir embora deve ser sempre difícil e estranho, ainda mais quando não é por vontade própria.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Youtube, esse barómetro emocional

Quando entro no Youtube e os vídeos recomendados para mim são Britney Spears e Tony Carreira...



... penso seriamente nas escolhas que ando a fazer com a minha vida!

Grrrrr

Eu juro, mas juro mesmo que não me volto a queixar do pessoal administrativo dos centros de saúde em Portugal. Eh pá, hoje vi o cúmulo da incompetência das meninas que estão atrás da secretária. Sinceramente.


terça-feira, 12 de agosto de 2014

O que vale é que cliente aqui é rei

Hoje de manhã estava a beber o meu iogurte probiótico quando olho para a garrafa sem estar a ver nada de especial, assim daquela maneira como olhamos para algum sitio a sonhar acordados, e de repente desperto e reparo que o raio dos iogurtes passaram do prazo há duas semanas!


O mais giro disto tudo é que eu os comprei no sábado, e numa grande e popular cadeia de supermercados, o Sainsbury's! Estava a pensar deitar aquilo fora, comprar outros e não me incomodar a ir à loja, mas pensei bem na situação e é bastante grave! Eu já trabalhei num lugar onde vendíamos comida e outros produtos frescos, e certifarmo-nos que tudo estava dentro da validade e próprio para consumo era uma das partes mais importantes, senão a mais importante do nosso trabalho. E eu como nunca falhei nisso enquanto lá estava a trabalhar, porque até nem é assim tão difícil, pensei: porra, tenho que me ir queixar, não só pelo erro mas também para prevenir que aconteça com outras pessoas. Então lá levei o raio dos iogurtes, sem recibo, porque normalmente deito os do supermercado logo fora (uma pessoa nunca conta com estas, né). O gerente estava logo à entrada, por isso foi depressa que falei com ele. Não tive direito a um novo pack de iogurtes dentro do prazo mas sim a dois packs de iogurtes! Hahaha.


Eu agradeci, e quando estava a sair ele ficou a dar nas orelhas a uma funcionária. E a coitada se calhar nem teve nada a ver com aquilo. Mas enfim.

P.S - Não sofri nenhuma intoxicação.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

O teste das 16 personalidades

Uma amiga que estudou Psicologia Criminal postou este teste de personalidade no Facebook e eu fui fazer ontem à noite, sem grandes expectativas achando que era um daqueles que não nos dizem mais do que já sabemos, mas tive uma grande surpresa. Acho que nunca fiz um teste de personalidade tão bom, tão minucioso e descritivo, e acima de tudo, esclarecedor.
O meu resultado foi a personalidade tipo ENFP (do grupo das personalidades diplomatas), pelos vistos somos 7% da população mundial. Mas há tipos de personalidade raríssimos, uma que equivale até menos de 0.8% da população. Eu imagino quem tiver este resultado, deve-se sentir especial ou.. incompreendido?
Bem, quanto ao meu resultado, e depois de ler todos os pontos (a maneira como me relaciono com as pessoas, a atitude no trabalho, a atitude fora do trabalho, as qualidades e as fraquezas, etc), tudo o que eu posso dizer era como se estivesse a ler o texto de alguém que escreveu sobre a minha vida.


Fez-me até entender e encarar algumas manifestações emocionais que eu pensava que não estavam encriptadas e eram apenas coisas passageiras. Naah, são coisas que fazem parte de mim, sempre lá estiveram e sempre hão-de estar, e o melhor que tenho a fazer é saber lidar com isso e sobretudo, contornar as fraquezas e tirar o máximo proveito das qualidades.
Este teste é muito bom até para ajudar a definir metas. Para conhecer quais são as nossas vocações, ou melhor, opções, porque nos diz para o que é que temos realmente jeito, e para o que não temos jeitinho ou paciência nenhuma, e também para clarificar qual é a nossa motivação nesta vida. É estar com pessoas? É estar sozinho? É dinheiro? Reconhecimento? Altruísmo? Aventura? Ou estabilidade?

Os 16 tipos de personalidade são estes.

Vão lá descobrir, garanto que não se arrependem. Realmente muito interessante.

Domingo é Domingo

E eu também eu partilho fotos de comida, porque o jantar que fiz ontem estava tão bom que merece ser imortalizado na blogosfera. Caso um dia esteja extremamente deprimida e sentir que não tenho talento nenhum para nada, posso vir aqui relembrar-me que até sou uma moça relativamente prendada, q.b.


Camarões, batata estufada com cebola (que saíu mais puré mas não interessa), vinhaça branca da África do Sul, e no portátil em stream, o jogo do Benfas. A gente cá se arranja.

P.S - A sobremesa foi gelado de banana do Lidl comido directamente da caixa, porque como se vê, somos super chiques.

domingo, 10 de agosto de 2014

Um facho de luz sobre Londres

E não, o Batman não se mudou de Gotham para Londres.

A luz que provém de um foco junto ao Big Ben e Casas do Parlamento, e se consegue ver por uma grande área do centro de Londres, é em homenagem a todos os soldados que perderam a vida na Primeira Guerra Mundial.
Na noite do dia 4 para o dia 5 de Agosto, todas as luzes se apagaram à volta de Westminster (também em muitos outros locais de Londres e do Reino Unido) e apenas este facho de luz no céu (e o relógio do Big Ben) permaneceu acesa, para assinalar os 100 anos da entrada da Grã-Bretanha na Primeira Grande Guerra.
Recorde-se que a Primeira Guerra foi o conflito histórico mais mortal para o Reino Unido. Estima-se que quase 900.000 soldados britânicos tenham perdido a vida. Todos os anos, o mês de Novembro, e em especial o Remembrance Day, serve para recordar todas as vidas militares perdidas em combate.

O facho de luz vai continuar aceso, e eu vou continuá-la a ver da minha casa sempre que anoitece...





A poppy é a flor que os britânicos usam à lapela para relembrar os soldados. Este ano milhares de poppies estão a ser colocadas no jardim que circunda a Torre de Londres. Uma poppy por cada soldado morto.






O facho de luz visto da minha porta das traseiras :)


Photos: bbc.co.uk