domingo, 30 de junho de 2013

Farewell dear June

Dá para acreditar que metade do ano já vai passada? Agora há que aproveitar o Verão. Possivelmente este fim-de-semana solarengo de 25º/26º em Londres foi o Verão a que vamos ter direito, mas chega p'ra lá pensamentos negativos....figas. Pois que eu planeio fazer coisas este Verão que implicam bom tempo.
Uma delas é explorar Londres de noite até o sol nascer, e se possível tentar entrar nalguns edifícios abandonados. Bom, esta ideia já me vem crescendo há algum tempo. Eu adoro cidades e adoro caminhar. Explorar a cidade de dia e fazer people watching já é comum, mas de noite é coisa rara. Pena, porque merece, e dá mesmo para conhecer o fundo da cidade, os mistérios... o que se passa quando não está ninguém na rua... e quem vem à rua nessas horas... Já o fiz aqui uma vez quando tive um amigo a visitar de Portugal, na noite antes dele regressar. Não deu para ficar até dia, porque ele tinha o vôo logo de manhã e estava frio, mas ainda caminhámos desde Temple até Waterloo. Eu, este amigo e o resto do grupo da universidade muito deambulámos pela nossa Covilhã, onde estudámos e nos conhecemos. Quando a conversa é boa e o cenário perfeito, não é preciso mais nada. Foi o que aconteceu ontem.
Ontem foi dia de gay pride e depois de mergulharmos nas multidões do Soho, fomos até ao pub (recém-habitual) onde ficámos até fechar e tentámos depois ir dançar num club. O objectivo era entrar na Heaven, em Charing Cross, mas pois que, olha logo que dia, já estava lotada. Aliás, qualquer sítio no centro estava lotado. Enfim, como a companhia era boa (um ex-colega espanhol e mais uns amigos que muito me fazem lembrar o meu grupo dos tempos da universidade) decidimos em conjunto ficar a caminhar pela rua. A falar, a cantar, a disparatar... Acabámos às três da manhã deitados em frente ao Palácio de Buckingham, debaixo da golden lady, a olhar para um céu sem estrelas mas com sorrisos nos lábios. Nos entretantos encontrámos uma moeda de 10p no chão e decidimos pedir um desejo em conjunto e deitá-la à fonte. E o desejo foi... txanan! Que o metro comece a funcionar 24 horas! Hahaha. Eu dei a dica e eles gostaram. Somos pessoas práticas.
Depois foi voltar a casa já com a luz do nascer do sol a dar sinal de si lá ao fundo. Priceless.
Hoje obviamente fiquei na cama até tarde, tinha que tratar de algum trabalho, e de roupa (!) mas ainda corri até Tower Bridge apanhar um pouco de sol. Temos que o aproveitar enquanto o temos, certo?

Créditos: Silverboy

sábado, 29 de junho de 2013

Song of the week #7




Adoro este groove!!
Ouvi várias vezes no trabalho, sem conseguir evitar bater o pézinho e dar uma sacudidela de ombros, e nem fazia ideia que isto era Daft Punk. São uns senhores, ou deverei dizer uns monsieurs. Ainda não ouvi o resto do aguardado/muito falado novo álbum, mas estou com vontade. Desconfio que vai ser uma das músicas overplayed deste Verão. Eu por enquanto ainda não me cansei.



quarta-feira, 26 de junho de 2013

Um paraíso a preço de saldo

Não encontro melhor forma de descrever os quatro dias que passei em Pula, na Croácia. Passaram rápido mas deu para fazer tudo. Passear, comer, beber, dançar, nadar, mergulhar, boiar, bronzear... conversas parvas e risadas com os amigos... Enfim, toda uma panóplia de elementos que a vida deveria ter sempre. Pula tem aquele quê de inocência. Cidade pequena e calma onde a industrialização maciça ainda não chegou. Onde as gentes são gentes da terra. Falam, brincam e sentam na rua a, alegremente, ver a vida passar. Faz-me lembrar a minha Bragança de há uns quinze (vinte?) anos atrás. Tirando que lá ao fundo está o mar. E que falta faz, ver o mar! O mar Adriático é calmo, e encheu a minha alma de sossego. A praia não tem areal, mas tem pedras lindíssimas. A água é transparente (pelo menos para mim é bem transparente que Deus sabe os lagos lamacentos em que eu já entrei!), e o sol... o sol! Queima a pele e ergue o espírito! Eu sei que pareço um bocado histérica, mas esta viagem foi uma benção. Depois de tanto tempo sem ir à praia, de viver numa estufa húmida e ventosa chamada Londres e de não saber mais o que é calor a sério, uma pessoa fica assim um pouco parva quando apanha sol. Ou quando caminha na rua à uma da manhã e ainda estão 26º! Verídico :)
E para além de todos estes motivos, para lá de profuuundos, a Croácia é um destino barato. Aqui entra o cliché de que para quem vive em Londres, tudo o resto parece barato. Mas é mesmo bastante acessível. Mais barato que Portugal. Ora vejamos, uma Libra vale cerca de nove Kunas (não sei se é macho ou fêmea). Um café numa esplanada custa 7 kunas, ou seja nem uma libra! E um prato de peixe/mariscos num restaurante variava entre 35 e 55 kunas. Eu comi um óptimo spaghetti de marisco e os meus amigos comeram calamares pela módica quantia de 35 kunas/4 libras! Digam-me onde se cobra assim no Algarve que eu vou lá já para o ano! Para nós londrinos então, isto é estupidamente barato. E gelados a 6 kunas?? Tivessem sido as férias maiores e mais uns quantos tinham marchado.
Outra coisa boa é que Pula não tem muitos turistas. Tem algum turismo sénior, franceses, alemães, e mais umas quantas famílias de turistas vindas de Itália logo ali ao lado. Turistas ingleses são ainda poucos, felizmente! (Eles que se deixem estar para lá a superpovoar o sul de Portugal e de Espanha.) Talvez esse será também o motivo porque os menús dos restaurantes estão nestas línguas todas menos em inglês! Ou porque os empregados nos cumprimentam sempre em alemão ou italiano.
Mais razões? Um belíssimo coliseu, o templo, o castelo, as igrejas, as ruelas, os jardins, ah e já me esquecia... a Karlovacko! A cerveja croata pelos vistos, tem fama de ser boa, e esta é a marca mais popular. Especialmente na versão Radler, aquela que sabe a limão. Que eu não cheguei a beber, porque como sempre, me armei em parva e pedi outra marca com sabor a laranja, que foi uma confirmada desilusão. Mas vá que ainda provei um pouquinho da Radler e posso garantir que é bem boa! Bolas. Fiquei-lhe com vontade. Para uma próxima.
Será que se eu misturar Becks e 7Up, sabe ao mesmo?


terça-feira, 25 de junho de 2013

Lusting for love

O amor na grande cidade é uma coisa estranha. O amor é um lugar estranho. Love or lust, dizem eles. Lust is everywhere. É a luxúria que move os passarinhos loucos de Londres. Mas por todo o lado eu vejo olhares inseguros e interrogatórios de vidas solitárias. Olhares que procuram outros olhares, e depois fogem. O sorriso que se apaga a meia chama, o corpo que se move e se afasta, porque tudo é no final de contas, um lugar estranho. Porque a luxúria fica na rua quando se bate a porta de casa, e não é mais motivo para contentamento, mas voltará. Na manhã seguinte, no final do dia, na noite que tarda e rapidamente se dilui. O amor é o plano furado à última hora, é um café adiado, é o desencontro, é aquela peça de roupa que se quer usar e não se encontra, é a conversa que se vai adiando. O amor vive mesmo de ser adiado. Alimenta-se no amanhã e, sem esperança, nunca existiria. Existe no infinito. O amor é pura e simples matemática que podemos compreender mas nunca alcançar. A álgebra que nos faz dizer "mas para que é que eu preciso disto no meu dia-a-dia?" sem nos apercebermos que estamos sempre a usá-la ou rodeados por ela. O amor espera-se, a luxúria partilha-se, e tudo o resto... são recordações.


quinta-feira, 20 de junho de 2013

Oh well!


Esta viagem à Croácia foi uma injecção de energia e inspirou-me a fazer uma limpeza, a tudo!
Espero publicar alguns detalhes e fotos brevemente. Mas agora nem tempo para comer quase. Foi voltar da viagem para o trabalho, na semana em que começaram os saldos de final da estação. É a loucura lá por Oxford Street no.214! Estas clientes andam possessas, valha-se-me!

(A limpeza nota-se logo no blog, finalmente mudei o título. Já andava para fazer isto há uns tempos. Escolhi o título/endereço anterior há três anos atrás quando comecei este blog. Não é que já não fizesse sentido mas era longo e... pois se calhar não tinha lá grande piada.)

quinta-feira, 13 de junho de 2013

"When the working day is done...

As nossas boas-vindas a Junho. Alguém falou em dieta..?

Um Benfica-Porto fresquinho e saboroso para ambas!

Shots in Soho again and again...

Mojitos e Daiquiris no nosso novo pub favorito
(que saudade de beber mojito, foi com dar uma golada no verão!)

Drinking like a sir, noitada de sexta-feira. Unforgettable!

...oh girls, they wanna have fun, oh girls just wanna have fun."

Represent!

É tão bom trabalhar para pessoas queridas que valorizam o nosso empenho e compreendem a nossa atitude. Espero mesmo que assim continue. Vou fazer por isso. Para além do feedback muito positivo que tenho recebido do head office da empresa, este mês ganhei direito a seis peças de bijuteria por ter sido a melhor staff member. Assim vale a pena.




*Só tenho a anel. O colar foi por motivos de propaganda. Eu e os colares não nos damos. Mas até que é fofinho, vá, um pouco over the top para mim, mas fofo. Shiiiiiu.

Song of the week #5


Já consigo respirar um bocadinho pelo nariz. Success!

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Entretanto na "Iúqueilândia"

Let the Morinho madness begin!!






Três dos artigos no mesmo jornal. Are you serious mates?! Eu até gosto da personagem mas ter que levar com ele todos os dias no metro e ainda nem o campeonato começou... raiostapárta.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Song of the week #4

 


Uma canção para a semana que passou... Uma canção que adoro, uma canção de sempre para sempre, presente desde as recordações mais remotas da minha infância.


Um olá da galáxia Jolly


O blog tem estado silenciado, mas a vidinha nem por isso. Trabalho, trabalho, amigos e um pouco de festarola. Agora parece que apanhou tudo uma virose ou raio que o valha. O fim-de-semana de sol deixou metade de Londres a pingar do nariz. É o que dá quando vem o solinho e nós ficamos malucos e nos esquecemos que ainda está aquela certa aragem. London Winds Oh Damn You Cold Hearted London Winds! Eu desde de domingo à noite que me sinto um [peço previamente desculpa pela brejeirice] um bocado de merda andante. É a cabeça a latejar, o nariz entupido, a garganta arranhada... Eu bem tenho andado a tentar remediar com os chás e o mel e o sumo de laranja. E a hora de comer? Tão deprimente. Odeio não sentir o sabor da comida. Ao jantar inundei os noodles com picante. Eu abomino picante mas neste momento é a única coisa que consigo sentir na boca. Bom, chega da descrição tão gráfica da meu estado de saúde. Isto há-de passar. TEM QUE PASSAR! Sexta-feira tenho que estar fresca outra vez. Sábado é dia de voar para a Croácia para um pequeno getaway com a T. e o Silverboy, e bem que preciso/precisamos!