segunda-feira, 27 de maio de 2013

Song of the week #3


First love, last love
It's only love, it's only love
Do
You
Miss
Home?


Foi a T. que me deu a conhecer os Maccabees. Numa primeira vez porque eles iam abrir os Black Keys, e ela queria vê-los e eu queria ver os Black Keys. E os bilhetes esgotaram, como quase sempre.
Numa segunda vez, lembro-me de estarmos deitadas no relvado da catedral de Berlim no dia do meu aniversário a ouvi-los. Do entusiasmo da T. com a toothpaste kisses. Daquela voz melodiosa me ter ficado no ouvido. Havia ali qualquer coisa que me fez lembrar Joy Division, A partir daí fui-me enamorando da música deles aos poucos. E agora posso dizer que é uma banda que gostava muito de ver ao vivo. Mas não num festival, não num meio de uma multidão com os pés encharcados de cerveja (não posso dizer que não aprecie tal), mas num concerto em nome próprio, num espaço fechado, intimista. Só imagino que deve ser inebriante o som que eles fazem numa sala.


Happy Spring Holiday!

Hoje é o feriado da Primavera e está um dia lindo, mas há quem tenha que ir trabalhar e ficar dentro de portas até às nove da noite... Mesmo assim, estou com o bom humor de quem vai sair de casa para ir para o parque. Junho está a chegar. Só me apetecem coisas bonitas.



E acabou-se a bola por este ano

 Ontem com a ida a Oxford, e bem que eu queria ver a final da Champions, acabei por não ver o jogo e nem me lembrava que tinha sido em Wembley, quando regressei eu e a T. no comboio para Londres às onze da noite e entrámos no metro cheio de adeptos do Borussia e Bayern, e eu dizia "ok, pelos vistos há muitos alemães em Londres". Da-ah. E não é que estes germânicos são muito pacíficos na bola? A não ser um ou outro que há devia ter umas boas pints em cima, tudo muito calmo, muito caladinho, com os adeptos da equipa contrária ali ao lado. Ui, se fossem duas equipas inglesas o galinheiro que não se armava ali.
Falando em galinheiro, tchhh, então e o Benfica, eh? Ontem disse à T. "este vai ser o ano em que Benfica está em tudo e vai acabar por não ganhar nada". A T. apesar de ser benfiquista, é daquela pequena camada de adeptos com três dedos de testa e também não estava com fé. E como de facto, se confirmaram as nossas previsões, e apesar se não ter visto o jogo, pelo que li por aí, o Vitória de Guimarães foi um vencedor mais que justo, e o Cardozo e o Jesus quase que andaram à chapada. Priceless.
Para o ano há mais. Parabéns ao Guimarães! Ups...Vitória!*

(Aquelas entrevistas pós-jogo extremamente espectaculares :D)
                        

domingo, 26 de maio de 2013

"Quero ficar sempre estudante..."

"...manter o fígado (em quê?!) em destilação constante".
Era assim a música. As "bezanas ambulantes", hino de festa para os estudantes da Universidade da Beira Interior. Uma daquelas músicas que gritámos (sim, que aquilo era tudo menos cantar) tantas vezes desde o primeiro dia como caloiros até ao último dia como finalistas, e até ainda hoje entoamos, retendo ainda na memória todas as letras, e o mesmo carinho no coração. Até já pelas ruas de Londres andei a berrar estas músicas.
Quero ser estudante outra vez! Quero! E não é por causa das borracheiras (que são sempre bem-vindas), mas crucifiquem-me, tenho vontade de estudar, aprender, saber, ler, pesquisar, ouvir palestras, fazer perguntas, fazer trabalhos, sentar-me numa biblioteca horas a fio, bater com a cabeça nas paredes. Sei que um dia ainda vou tirar uma pós-graduação ou um mestrado, e não me arrependo de não o ter feito até agora. Primeiro porque não me teria sido útil até agora, segundo porque teria feito a escolha mais óbvia (continuar no ramo de jornalismo) e não iria abrir a mente a outras possibilidades, e terceiro porque sei que o dia que o fizer serei muito melhor estudante do que fui. Porque já levo na bagagem as experiências laborais, já vivi mais, já sei mais sobre o que gosto e o que não gosto. Já sei que o sacrifício também tem um bom sabor.
Enfim, divagações de um sábado solarengo passado na cidade dos estudantes inglesa. Ontem era dia de exames e havia confetis no chão. Estudantes vestidos com o uniforme de um lado para outro. Oxford é bonito, calmo e inspirador. A cidra foi o combustível das caminhadas debaixo do sol e acho que é por isso que ainda estou agora a repôr líquidos de tão desidratada que fiquei. Estou mesmo cámone.



 



quarta-feira, 22 de maio de 2013

Momento alto do dia (Se eu fosse uma bolacha seria...)


Bolacha Maria!! Encontrei-as hoje! Claro que devem vendê-las por aqui em muitos sítios, e eu é que sou uma distraída e nunca reparei, mas hoje foi a minha alegria. Os meus olhos devem ter iluminado quando vi a estante cheia delas na loja dos 99p. Por cá o equivalente às Maria são os rich tea biscuits, que é parecido mas não bem bem a mesma coisa. Numa boa casa portuguesa, as bolachas Maria são elemento indispensável na despensa, para usar nas sobremesas (principalmente aquelas dos ataques súbitos de gula) ou petiscar com chá ou café. E eu sou apenas uma moça saudosa, e sou como as Maria, simples e prática... e indispensável! coff coff

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Song of the week #2


Lembrei-me o outro dia desta música que já não devia ouvir desde que saí de Portugal. Não é muito o meu estilo, mas adoro esta canção e o Melendi é um porreiro. E uma boa banda-sonora para o Verão :)

Voy camiando por la vida, sin pausa, pero sin prisas
Procurando no hacer ruido, vestio con una sonrisa, sin complejo ni temores,
Canto rumbas de colores
Y el llorar no me hace daño siempre (y) cuando tu no llores

 Y no quiero amores, no correspondidos
No quiero guerras
No quiero amigos
Que no me quieran sin mis galones
  
Mai nada, Melendi.


E especialmente porque foi semana de Eurovisão:


Eu queria tanto que a Grécia ganhasse pá! Nem que tivessem que organizar o evento em Berlim, apresentado pela Merkel. Todos os anos há uma curta lista de músicas que se aproveitam e esta era uma delas. Já foi direitinha para a minha playlist da "borratcheira".

O Verão



Com este título, parece que estou prestes a escrever uma daquelas redacções da escola primária. E é mais-ou-menos isso.
É que daqui a um mês o calendário marca o início do Verão, e com o aproximar do mês de Junho, por todo o lado, no trabalho e entre amigos, falamos dos nossos planos para o Verão. Começa a ser o tema principal de conversa. Toda a gente anda a planear viagens e pirqueniques e passeios aqui e ali.
Eu devo dizer que, completamente oposto ao que sentia o ano passado por esta altura, estou muito ansiosa por este verão. Isto porque há dois anos que não tenho um verão verão, se é que me entendem. Em 2011 estive a trabalhar e a poupar dinheiro para vir para Londres, então não fiz nada de encantador e também não é que estivesse muito preocupada com isso porque outras aventuras me esperavam. O ano passado estive a trabalhar e não saí de Londres e também pouco aproveitei as coisas fantásticas e o espírito de cidra, burguer grelhado e chinela no pé, que invade esta cidade durante os dias mais amenos. O cómico do ano anterior é que os nossos managers não nos deixaram tirar férias durante os jogos olímpicos, porque, diziam eles, o centro ia encher de gente, e era preciso estarmos todos a trabalhar para dar resposta a tanta clientela. Ora toda a gente sabe a anedota em que isto se tornou, porque o centro de Londres ficou mais tedioso que o deserto do Sahara, que ao menos aí, a poeira ainda levanta. Já por aqui, não se ouvia uma mosquinha. Pela rua ou nos tranportes públicos, só ouvia os meus passos. Às vezes até me sentia muito smooth, quando andava no metro e na Oxford Street sem ver ninguém, como se fosse eu a protagonista do I Am The Legend. Lindo foi ver os managers a mandar os funcionários para casa mais cedo todos os dias, e a "panicar" (eu outro dia ouvi alguém usar esta palavra no metro!), sobre como iriam conseguir cumprir as horas contratuais já que simplesmente... não havia nada para fazer! Muitas vezes, depois do trabalho, ia até ao Hyde Park, sentava-me no meu cantinho predilecto (junto às vedações atrás do WC que é um sítio sossegado e prático) e lia o meu livro ou me deitava de barriga p'ra cima a pastelar e a ouvir a minha playlist. Tirando isso, uma jantarada ou festa aqui e ali, os meus meses de Junho, Julho e Agosto foram passados a trabalhar.
Este ano o Inverno foi longo e bem frio, por isso estou com muita vontade ao calor, então decidi esperar um pouco mais e só tirar férias para ir a Portugal em Julho. Eu nunca nutri muita simpatia por Julho. Quando vivia em Portugal era o mês em que mais sofria com o calor. Gostava de Junho... e Agosto até se aguentava, porque à noite já arrefece. Agora Julho... não conseguia dormir porque de noite ainda estão uns 30 graus lá fora, e de dia, só se estava bem dentro de água. Ora, essa é uma das outras razões, quero estar preparada psicologicamente para outro Inverno, então quero fartar-me mesmo de calor, quero torrar, suar, desidratar, até dar por mim a enxovalhar o sol e o verão e ansiar pelo tempo merdoso daqui da ilha.
Mas antes dessas férias "grandes", que são duas semanas (olá vida adulta), vou até ao Mediterrâneo em Junho, e depois de voltar de Portugal, espero andar muito ao arejo e aproveitar bem o mês de Agosto por aqui. Coisas para fazer não faltam!

sexta-feira, 17 de maio de 2013

PMSing


As you may know...
 

Socializing would be like...


So I'm going to stay home and...


And just...


 And since I'm lying here...


All day.



terça-feira, 14 de maio de 2013

Song of the week #1

 
He's got a Rolling Stones tee
But he only knows one song
They think they're from the sixty's
But they were born in 1991
 
O video à volta de uma noite bem passada em Londres, a voz dela, as referências da letra. Love it.

In one picture


Game of Thrones

Viciada. Depois de Homeland cheira-me que esta é mais uma que vou ver de rajada. Com a diferença que já sei quem vai morrer, e casar, e dar à luz e coisa e tal. Damn it. Mas ainda assim tenho vontade de continuar a ver. E para ajudar à festa lá no trabalho, toda a gente está a ver também. Passamos o dia a falar da série. Acho que estamos a criar a nossa mini-fanbase. Já só nos tratamos por Mi Lord, Mi Lady, Your Grace, My Prince, Bastard, Dwarf, etc, e até queremos fazer uma house party temática. Se bem que já chegámos à conclusão que ou nos vestimos de lords ou sluts, ou dragões... Não há muita escolha. O meu manager nem tem que fazer dress-up, já que ele é a cara chapada do Jon Snow, e fica todo inchado quando lhe dizem isso...


Por falar em Snow, adoro os diálogos dele com o Tyrion. O anão e o bastardo...
Acho que vou ver mais um episódio, ou dois.

 
To the list of best quotes ever, please.

A weekend in a Londoner's life a.k.a A veeeery long post

Foi assim que decidi intitular a visita do meu irmão, já que fizémos uma pequena variedade de coisas, desde o mais turístico ao que se pode considerar mais "rotineiro".
Foi um fim-de-semana curto mas recheado de grandes momentos, e deu-me uma nova energia. Por matar saudades, mas também por ver Londres pelos olhos de quem não vive aqui. Mostrar a cidade a outra pessoa funciona sempre como um reminder (lembrete é uma palavra muito estranha) das razões pelas quais gostamos de aqui estar.
Ora então, sexta-feira lá chegou ele, sem grande atraso no vôo e liga-me. Como tínhamos combinado que só me mandaria uma mensagem quando estivesse a caminho do centro, pensei logo o que se teria passado. Ele diz-me que tinha perdido o autocarro que tinha reservado e perguntou-me o que eu aconselhava naquela situação. Ora, como fui eu que lhe reservei o bilhete, e para vocês perceberem como é o meu irmão (mais velho que eu), eu certifiquei-me ao fazer a compra que ele teria tempo de sobra para o autocarro, aliás porque os senhores motoristas simpáticos deixam entrar antes da hora reservada se houver lugares. E eu digo-lhe "olha para o teu bilhete, que hora é que lá está?", "ah, confundi-me, só me lembrava do 45 e pensava que era 13h45". Ai Nossa Senhora me dê paciência para estes cabeças no ar. Que eu sou cabeça na lua, mas sou organizadinha (depois já vão perceber melhor).
Desfeito o dilema, ele entrou logo no autocarro que estava parado, como eu lhe disse para fazer, poupando-se assim a quase uma hora de espera, digam lá que eu não sou uma irmãzinha querida.
Como eu sabia que esse autocarro não faria muitas paragens e só demoraria cerca de 40 minutos, e queria estar na paragem antes que ele chegasse (sou mesmo muito fofa), enfiei o café pela goela abaixo e segui ao encontro dele em Marble Arch. Depois de estar à espera há uns bons minutos sem sinais do dito autocarro, e a tentar vislumbrar o meu irmão por entre dezenas de putos belgas, arre, ele liga-me, e afinal o motorista decidiu acabar o seu percurso em Baker Street. Ctxx Ctxx, quer dizer que eu apanhei um tsunami de putos belgas para nada. Sabe Deus a pouca paciência que eu tenho para me cruzar com excursões do ensino preparatório... Lá corri para o metro e fui encontrá-lo em Baker Street.
Viémos logo até Oxford Street, já que eu lhe queria mostrar o meu local de trabalho e apresentá-lo a alguns amigos, colegas e ex-colegas. Depois de tomar um cappuccino com a malta, seguimos com mais outro amigo meu, para uma caminhada até Waterloo. Ficámos um bom tempo parados na Westminter Bridge a olhar para o Big Ben, Houses of Parliament, London Eye, Tamisa... e claro, a pôr a conversa em dia. [No sábado bem que me doía a garganta de tanto ter dado à língua]. Aí apanhámos o autocarro para minha casa, e nos entretantos, um amigo dele liga-lhe para irmos tomar umas pints. Um inglês que ele conheceu no Luxemburgo e que vive em Londres. Como eu já tinha planeado essa noite, combinámos de ir ter com a personagem (e que personagem) no dia seguinte. Chegámos a casa, e primeira coisa que fiz foi logo tirar cerveja do frigorífico, ora pois. Brindámos com uma boa Ale e começámos a fazer o jantar. Depois de jantar, embarcar o resto da cerveja e mais uma garrafa de vinho, pusémo-nos a caminho de Camden Town. Como ambos gostamos de abanar o capacete ao som de uma boa rockalhada/punkada, levei-o até ao Barfly. Esperávamos ainda ver música ao vivo mas como neste país tudo acontece bem cedo, a banda tinha tocado às sete da tarde e toda a gente já estava bêbeda a curtir a playlist quando chegámos, por volta das dez da noite. Imaginem em Portugal, ir ver uma banda num bar... Se tocarem os primeiros acordes às onze da noite, já é com sorte... E é para aquecer, que às onze, os bares estão vazios. Haha. Identifico-me com o modo de vida de aqui, como disse ao meu irmão. Gosto de aproveitar a vida sem ter que me deitar, e consequentemente levantar muito tarde, e assim aproveitar o dia. A vida torna-se tão mais produtiva... São coisas. De volta ao relatório, bebemos muitas pints e adorámos a playlist, cheia de clássicos rock, punk, indie, metal. Músicas do meu passado, músicas do meu presente. O meu irmão até estava a usar a t-shirt de uma banda punk em que tocou. Ficámos até à hora do fecho, três da manhã e até às quatro ficámos a caminhar por Camden, que nem uns vadios. Adoro.
Chegámos a casa às cinco da manhã, e eu acordei às dez para preparar um decente english breakfast. Fiz salsichas, tomate assado, feijão, tostas, queques de mirtilo (awkward, blueberry muffins), e até juntei um pouco de inflluência canadense com panquecas e maple syrup (não sei que raio se chamará a isto em português mas se alguém souber). Estava eu para estrelar os ovos, quando o meu irmão diz que se calhar já era comida a mais. E como de facto era, mas o objectivo era mesmo encher o estômago e aguentarmo-nos até horas de jantar.
Começámos o dia com uma caminhada por Southbank até St.Paul's, com uma visita ao Tate Modern pelo meio, e um raspanete do meu irmão por nunca ter ido ver nenhuma peça ao Shakespeare's Globe. Mas é assim, quando se vive num sítio sem planos imediatos de ir embora, deixamo-nos estar e há muita coisa que fica por fazer. A juntar a próximos programas... Em St.Paul's, apanhámos o metro até South Kensington, onde visitámos o Victoria & Albert Museum e espreitámos o Natural History por fora, já que aquando da sua primeira vinda à Big Smoke, o meu irmão o tinha visto por dentro e não por fora (coisas de turista ignorante haha). Daí caminhámos até ao Harrods, vislumbrando os arábes ricos fumando as suas chichas cheirosas nas esplanadas e apanhámos o bus 14 na direcção oposta. Fomos ver Stamford Bridge (deverei dizer já aqui que o meu irmão é benfiquista?), e seguimos a pé até à minha antiga rua. Mostrei-lhe a minha primeira casa de Londres e fomos comer um kebab. Jantadinhos, fomos até ao café tuga lá do sítio (digamos que bem deprimente, mas não vou falar disso aqui) para ver o Porto-Benfica. Eu logo disse ao meu irmão que só lá ficaria os 90 minutos e nada mais. Ele acabou por dar-me razão. Oh se deu. Não estou aqui para criticar estereótipos, mas só vou dizer que eu e a T. tínhamos lá ido uma vez para ver o Portugal-Dinamarca, e foi uma experiência a esquecer. Até hoje, aínda é o sítio no qual eu me senti mais peixe-fora-de-água em Londres... Credo. Guetos. It's true! Mas vá, pelo menos deu para comer um pastél de nata, beber uma bica e uma Super Bock.
Como eu sou portista e o eu irmão do Benfas, a experiência acabou por ser pior para ele, embora lá no café fossem todos benfiquistas (coff coff claro...) e toda a gente me ter mandado raios pelos olhos quando festejei incontrolavelmente com aplausos o golo do Kelvin.
Fugimos logo dali no apito final e fomos ter com o tal amigo do meu irmão, que nos convidou para a houseparty em que estava, apesar de ser a festa de anos da namorada de um amigo. Ok. Lá fomos então, e percebemos antes de achar a casa, que ficava a uns cinco minutos a pé da minha. Deve ser por isso que relaxámos com o álcool. Eu ainda bebi umas cervejas mas nada de especial. Já o amigo do meu irmão passou a noite a beber gin tónico e a fazer beber aos outros. Todos os outros convidados, ingleses, nórdicos, americanos... foram embora a horas decentes. E nós, portugueses, para não deixar ficar mal a fama, ficámos a fechar a festa. Eram umas três da manhã quando saímos, isto porque o amigo do meu irmão já não se aguentava de bêbedo. O meu irmão, vá lá, decidiu parar ao quarto gin, que já estava bem quentinho, mas ele é daqueles que sabe disfarçar o álcool. Foi uma noite bem passada, deu para ficar a saber um pouco mais sobre a experiência do meu irmão no Luxembrugo e que ele fez lá bons amigos. Ainda introduzimos (credo, apresentámos) os cámones aos Ornatos Violeta e Silence 4. Falámos de esterereótipos europeus, música e futebol. O amigo do meu irmão, o típico cómico bêbedo inglês, mostrou-se extremamente preocupado com a minha felicidade em Londres e o facto de eu não ter cá família a tomar conta de mim. Um fofo. Um bêbedo fofo. Troquei número de telefone com a namorada dele que é portuguesa, ficando em aberto ir tomar um café. Vamos lá ver. Depois de os deixar no táxi, caminhámos até casa e fomos dormir.
Claro que com esta farra toda, o meu irmão ficou até mais tarde na cama, e já não deu para ir até Abbey Road como ele queria fazer no domingo de manhã. Como já não tínhamos muito tempo até ele apanhar o comboio para o aeroporto, eu tive a ideia de caminhar até Tower Bridge e panhar o bus 15 até Regent Street que é uma viagem bem bonita. Ele gostou. Antes de voltar, ainda deu para ver a loja dos M&M's e tirar uma foto na M&M's road, já que não deu para ir à verdadeira :)
Para finalizar, e a isto é que eu chamo a verdadeira parte londrina do fim-de-semana, foi o stress para apanhar o comboio até Gatwick. Ora porque o génio do meu irmão se lembra de querer reservar um comboio de cinco pounds até ao aeroporto, daqueles que troca numa estação pelo meio e tal. Uma complicação. Tão complicado que aparentemente são comboios que nem existem. Eu logo lhe disse que o bargain ia dar para o torto. Mania desta juventude pensar que arranjam bons biscátes assim... Às vezes mais vale pagar mais um pouco mas ter a segurança que tudo corre nos conformes. Ora o comboio até existia, mas nunca na vida ira chegar a tempo ao aeroporto já que um moço do staff nos disse que era um dos mais lentos e nos aconselhou a ir falar com o ticket officer. [Devo relembrar que já não tínhamos tempo para estas coisas que o meu irmão tinha o vôo para Lisboa dentro de uma hora]. Correria para aqui, correria para ali, lá nos aconselharam que seria melhor comprar outra viagem e não voltar a comprar este tipo de bilhetes online. Eu pedi a viagem mais rápida até Gatwick fosse qual fosse o preço, e tchanan! um comboio de meia hora, que chagava lá com tempo de sobra a dez pounds! Meu Deus, que fortuna!! Ui, um bom motivo para comprar uma viagem fantasma na Internet dois meses antes... Pure. Evil. Sarcasm. Enfim, lá dei na cabeça do meu irmão, antes de outra correria para o deixar na plataforma correcta, já que London Bridge está com obras e está uma confusão. Regressei a casa morta de cansaço e sono, mas não iria conseguir adormecer até ter a certeza que o meu irmão tinha embarcado e pus-me a ver Games of Thrones. Ele lá me mandou mensagem a dizer que ia entrar para o avião. Vi mais um pouco da série e adormeci. Eram umas oito da noite e só acordei às sete da manhã de segunda-feira. Regresso ao trabalho e quotidiano. Ufa.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

G'Morning!


Hoje, último dia de trabalho da semana. Fim-de-semana inteirinho de folga. Irmão de visita. Muito passeio para fazer. Muita pint para beber. Música em Camden. Clássico para o título no sábado. Ir aqui e ali. Nem a chuva anunciada pela BBC Weather me vai estragar o fim-de-semana. Ai não.

domingo, 5 de maio de 2013

Bits von... Berlin


















#Setembro 2012

Es-te-re-o-ti-pi-fi-ca-ções


"- I need more gay friends!

- So do I! Oh no, wait! I have too much gay friends... I need straight friends!

- That's because you're a gay guy stuck inside a girl's body!

- NO, I'M NOT!"

- Ok, you like men...and you like football... you're like a man but you like men...what do you call that?

- Wrong! I don't do anything artistic or think I'm good at any of those, I cook and bake without making it a big deal like I am Martha fucking Stewart or something, I drink wine and beer and not those shitty colorful drinks and martinis, I do not identify with Madonna or Lady Gaga, I don't give opinions on others physical features or outfit choices, I watch football and do not find TV shows such as Glee or Desperate Housewives to be amusing whatsoever.

- Ok, this is buried now."



#conversas entre amigos solitários num sábado à noite.

sábado, 4 de maio de 2013

E é isso


"Embrasses moi à Paris
Sens moi à Rome
Fais moi danser à New York City
Si t'es un homme
Parles moi à Londres
Touches moi à Tokyo
Je ne veux pas attendre
De tomber de haut"

Travel the world, Superbus

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Haha estou atónita que isto tenha passado na Sic

Estamos a ganhar terreno carago!


Isto era precisamente o que os benfiquistas nos faziam há uns anos atrás, quando estávamos nas luzes da ribalta, atirar-nos com glórias passadas e números à cara. Agora provem lá do vosso próprio remédio. E pronto, boa sorte para dia 15.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

"I would never belong to a club that would have someone like me as a member"

Às vezes entre o sono, vêm-me as cenas mais estapafúrdias à cabeça e hoje foi uma dessas noites. Por volta das seis da manhã acordo e espreito o telemóvel. Tinha um sms de um amigo que me quer ajudar a estimular a escrita e que dizia "tenho um desafio para ti durante o dia de hoje pensa numa história de terror, aproveita qualquer intervalo do dia para pensar nisso e escreve qualquer ideia que tenhas por mais parva que possa parecer". Telepatia! Pouso o telemóvel e volto a virar-me na cama. Sim, sim, vou mas é dormir, penso cá para mim. Mas entretanto na minha cabeça... gritos, respirações aflitivas, estranhos com um chapéu preto, vizinhos simpáticos e misteriosos, acidentes... Então pequei num papel e escrevi logo umas quantas coisas. E pensei "uau, isto até parece fixe". Aí sim, adormeci.
Com o dia bem preenchido, tal coisa não me voltou a passar pela cabeça, até chegar a casa depois do trabalho e olhar para o bloco de notas e pensar: What. The. Fuck.
Se calhar, voltando a acordar meia zombie com metade dos neurónios adormecidos durante a noite, vou achar piada àquilo outra vez.


*Woody Allen em Annie Hall

E pronto,

agora até dia 15 é só Benfica, Benfica... Por todo o lado SLB, SLB. Mesmo longe de Portugal, só oiço Sport Lisboa, Sport Lisboa...

E mais outra coisa.. ah, Benfica.


quarta-feira, 1 de maio de 2013

Idem idem, aspas aspas

(Pensamento partilhado por muitos londrinos)

"And she hated cyclists - another sanctimonious bunch with their namby-pamby whining about doing their best for the environment so it was okay for them to navigate the roads like lunatics and it was up to drivers, decent people such as herself, to be responsible for their safety. If she ruled the world, cyclists would be shot on sight."

Leitura do momento e responsável por me rir que nem uma tonta no metro, Marian Keyes, The Brightest Star in The Sky