domingo, 27 de fevereiro de 2011

My own private medicine



Make fun and laugh like there's no tomorrow!!

Happy girls

A falar dos nomes fofuchos, que essa espécime de um planeta muito distante do meu, os apaixonados, usam entre si:

J. : "Tu sabes o que eu gostava mais que o meu ex me chamasse?"

Eu: "PI-PO-CA!"

J. :






"o meu nome..."

sábado, 26 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Pequenas coisas que me fazem rir que nem uma parva

A cara de deficiente do meu cão nesta foto. É inevitável.







Não, a sério. Querem uma comparação?





Nada a ver. Ele aqui está sexy. Mas sim a natureza dele, é mais a cair para o totó.

Este é possivelmente o post mais longo da minha existência

Estou a fazer um intervalo à minha tarefa doméstica favorita...



Pois sim! Para fazer isto {tenham cuidado, tenham muito cuidado} antes que dê os óscares, que "mássim" ainda vão dizer que a minha opinião foi influenciada pelos resultados! HAH! Qui nada! Que eu até gosto de ir com as minorias!

Esta semana vi três filmes, e claro que com a aproximação do evento cinematográfico ex-libris do outro lado do atlântico, procurei aqueles que estão nomeados na categoria maior (melhor filme) que ainda não tinha visto... Eu tenho imenso gozo em sentar-me no sofá a fazer juízos nestas coisas de que não percebo nada... Quero lá eu saber da situação da Líbia ou dos prós e contras do governo ter aprovado 50 mil estágios profissionais para este ano...Hollywood é que é!
E como qualquer bom treinador de bancada, posso dizer o que quero, aqui que ninguém me ouve/lê. Mas claro que antes de dar palpites sobre a táctica de jogo, cabe ao menos conhecer bem o onze que entra em campo. E agora que reparei que estou a escrever demais para um post que o objectivo era não ter que escrever muito (sou um poço de contradições), vou passar ao que interessa...


Este é um daqueles filmes ins-pi-ra-do-res! O Danny Boyle gosta de pegar nestes... Tem lá tudo: comédia, drama, aventura, sangue (lóle)... e mais importante que isso, a mensagem. Óptimo para quem está a precisar assim de um sopro de inspiração, e se não estou enganada, é aquele género de filme que agrada a toda a gente. O filme vê-se muito bem, é fresquinho... como o Slumdog millionaire, aquelas viagens ao passado (e ao futuro), tudo misturado, juntando à banda-sonora, parece um videoclip... no bom sentido da coisa. E no final, aquele "aahhhh *.*" que fica no nosso peito. Ah!E tem o James Franco! (é como o brinquedo que vem com o Happy Meal)



Este também toda a gente gosta (não sei porquê, esta frase faz-me lembrar uma música pimba) adiante... Mais uma história verídica. {este ano os óscares proliferam em factos reais} Para mim, que sou parva, o filme vale logo pela viagem ao início dos anos 90 (minha nossa!) e a banda-sonora, também com algumas preciosidades desta época! O que eu mais gostei foram sem dúvida os momentos da personagem do Christian Bale (que papelaço!!), é ele que dá brilho ao filme. Nalguns momentos, confunde-se qual dos dois irmãos será o protagonista da estória... Mas pronto, se dizem que o Christian tem um papel secundário, que seja... mas nesta categoria o óscar será MUITO bem entregue. De resto é giro e é cómico e só tem gente maluca, e uma cena ao som dos Led Zeppelin *.*



Ora aqui entramos em terreno perigoso. Tenho que ver bem as baboseiras que digo deste filme porque gostei muito. Cuidado, porque mesmo sendo um remake de um outro de 1969, não sei se não será menino p'ra levar a estatueta. Pelo menos já tem um ponto a favor, como este ano não há filmes de guerra, este é o que possivelmente mais alimenta o ego americano. O que eu posso dizer é que normalmente abomino filmes de tiros e perseguições, com excepção para o velho oeste, porque é muito mais do que isso. São verdadeiros romances cinematográficos. E como um bom western, este filme faz-se da força dos diálogos e do carisma das personagens. Já ouvi dizer que o grande duelo de domingo seria entre este e o King's Speech. Embora um remeta à nobreza e outro aos cowboys, têm os dois o mesmo fio condutor da trama: a amizade improvável. É bonito. A juntar aos pormenores técnicos que acho, com o pouco que percebo disso, estão muito bons, tem excelentes desempenhos. Um amigo meu dizia-me o outro dia que óscar de melhor actor, este ano, devia ser cortado ao meio. Metade para Colin Firth, metade para Jeff Bridges. E eu não poderia concordar mais.


Nota: Já que comecei a falar nos óscares, mais vale acabar. Pode parecer que gostei dos filmes todos e que gosto de tudo. Não. Abominei o Inception, por exemplo, Não pelo género, {gostei de Memento e de Eternal sunshine of the spotless mind}, mas mesmo pelo filme. Estas coisas realmente vão mesmo pelo gosto de cada um. Como também gostei muito do Social Network, que muitos consideram medíocre. Agora que uma coisa é verdade, é que parece que este ano não existe "O Filme". São bons mas assim ao longe, não há nenhum que chame mais a atenção do que os outros, sim.
Eu já disse em jeito de brincadeira que ia ganhar o Toy Story 3, mesmo antes de saber que estava na categoria principal e ó que a ver...
Mas vá, vamos lá arricar uma previsão: eu acho que estará entre o Social Network e o True Grit. Eu que não percebo nada destas coisas. E o "King's Speech" será o outsider. Se ganhar, é sinal que a academia está a mesmo a expandir. A ver vamos. Quem conseguir ficar acordado, claro.

Anyway, back to reality. -.-'



(fónix, para quem não queria escrever...)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Se alguém disser que eu publiquei este post, eu vou desmentir

Guilty pleasure***




Let the children's laughter remind us how we used to be
Everybody searching for a hero
People need someone to look up to
I never found anyone to fulfill my needs
A lonely place to be
So I learned to depend on me
I decided long ago, never to walk in anyone's shadows
If I fail, if I succeed
At least I live as I believe
No matter what they take from me
They can't take away my dignity

Alííííívioooooooo

É tão bom quando a vida faz ecolhas por nós, então quando são assim arrancadas a ferro, é mesmo melhor deixarmo-nos ir...

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

?

E se estiver a ser precipitada? Nem sempre é necessário ir, por vezes ficar é melhor do que ir. E se não estiver a dar valor ao que realmente importa? E se estiver a ser uma prepotente ranhosa? E se estiver a deixar escapar qualquer coisa? Estou a deixá-la se for ou se ficar? Afinal, ao que dou eu valor? Acho que já nem sei. Se experimentar, não vou saber. Mas valerá a pena experimentar? E se tudo for o contrário do que desejo? De caminhos tortuosos se faz a vida, mas nem sempre estes param longe. Afinal o que é que eu quero! Não sei? Sei. Quero o que mereço. Quero a mudança, quero a segurança. Quero o preto e quero o branco. Quero o versa e o vice-versa. Tudo. Afinal até é simples, na teoria. Não o é na prática.

E faço cálculos a tudo, tudo! Inquéritos a mim própria e aos outros. Gráficos e tabelinhas, percentagens disto e daquilo... para quê?

Tenho um empate na minha cabeça.

'Da-se!!

O FCP hoje fez-me lembrar a minha pessoa, está em todas mas não vai a nenhuma.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Oh Lord, make me good but not yet

Tenho uns pais espectaculares. Pacientes nas horas em que é mais difícil ser paciente comigo. E sei dar valor a isso.
Deixando de lado estas mariquices, aponta-se-me outro assunto. Eu até gosto de saber como vão indo os outros clubes europeus de futebol, mas...
Porque é que a estação pública portuguesa está a transmitir o jogo do Real Madrid?
Tenho a certeza que deve existir uma explicação coerente. Tal como, hmmm, compraram os direitos de transmissão antes do Benfica ser kicked-out? Muah haha era bom.

Bichas vendidas.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Irregularidades de uma universitária - ep. 1

(como já havia prometido)


"O bom dos fins-de-semana passados em casa é que estou aqui sem fazer nada e não me culpo por isso (só às vezes…), sei que se for à despensa ou ao frigorífico há sempre comida e, se não houver, ou a minha mãe sai para comprar ou inventa-se qualquer coisa sem medo de estragar a pouca comida que há…que é o que me acontece de vez em quando na Covilhã, pobre vida de estudante… mas o sentimento de culpa que me invade quando passo os fins-de-semana na Covilhã é o facto de me sujeitar a estar mesmo em casa sem fazer nada…Primeiramente porque eu associo a Covilhã a constante entretenimento, desde o estudo, até às bebedeiras, passando pelas jantaradas de frango, passeatas, idas à serra ou simplesmente jogar aos cowboys, a semana torna-se imparável. Mas quando chega o fim-de-semana é um suplício, uma pessoa na sua inocência caloiresa pensa sempre: “ah, agora que é fim-de-semana é que dá para fazer bué de coisas e apanhar grandes tosgas que não temos que nos preocupar com as aulas”, não pode haver pensamento tão ingénuo, errado e estúpido quanto este. Primeiro porque, ao fim-de-semana há sempre alguém que vai à terrinha, a falta de “staff” já é logo um ponto negativo, segundo porque, esquecemo-nos que já não estamos no secundário e que para os universitários (a maioria deles) o fim-de-semana é a pior parte da semana e terceiro, e este sem dúvida o grande erro da citação, os estudantes universitários não se preocupam com as aulas, estas são apenas um ínfimo pormenor a ocupar os seus maravilhosos mundos. E numa cidade universitária, de facto, já que a Covilhã gira em torno da universidade, é à semana que tudo acontece, não é preciso dizer mais nada."

Abril 2006

Daqui a um mês






é Primavera!






E cá estou, de novo, à espera da primavera. À espera de Abril. Tem piada e não deixa de ser irónico. E eu não deixo de ser parva.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Olha que coisa mai rica!

Nesta belíssima (not!) tarde de domingo, depois de arrumar a cozinha, decidi (des)arrumar o blog. A little bit of fresh. Depois de andar a experimentar modelos, letras, cores, andar à bulha com títulos enormes a vermelho (nhac!), lá me decidi por apenas(!) mudar o tipo de letra, a côr, a citação de boas-vindas e colocar uma imagem de fundo. A imagem é uma versão pop/cartoon do quadro "A friend in need" de Cassius Coolidge, da autoria de Ken Cursoe. A coisinha mais engraçada que encontrei pela net nos últimos tempos. O original é o meu quadro favorito que um dia vou ter (a cópia) na sala de estar. Oh p'ra mim!

Hmmm. O que acham vocês, uma ou duas pessoas humanas que acompanham este blog? Está demasiado "embonecado"? Eu gosto!



*actualização:
obrigada D., tinhas razão, o meu querido banner batia ali muito mal, já lhe disse adeus, snif. Gostei do resultado, e lá consegui parar e não esticar (lol) a imagem de fundo. Estava atrofiante realmente!

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Isto das reflexões em estrangeiro é de família



Irmão -
"Não vais sair hoje?"
Eu - "Não"
Irmão - "Outra vez? Mas tu agora não gostas de pessoas??"
Eu - "Não"
Irmão - "you have been with people and I think you hate people"


As felizes constatações do meu irmão e as nossas influências da tv... -.-'

O meu fim-de-semana


Sexta-feira:


- "Vamos sair logo com o tal?" (For the love of God!! Do I have "stupid" written in my face?)

Eu - "Não, estou doente"

- "Vamos ao concerto dos tal?" (BOOOOOORING! I've seen it like ten times, I'm not their groupie!)

Eu - "Não, estou doente"

Sábado:

"Tens planos para esta noite?" (aka: preciso de alguém que me conduza o carro para ir a um sítio fixe apanhar uma grande tosga)

Eu - "Tenho. Ficar em casa com a minha tia, que está cá de visita"


Nunca me soube tão bem não poder sair de casa ao fim-de-semana. Mesmo que esteja a caminho da total exclusão social.






Nota:
todas as respostas são verdade e às vezes penso em inglês, sim. Gosto de fazer notas aos posts.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Ora entããããão!

Como tenho tido pouco mais que fazer, vamos lá dar um charmezinho de Mário Augusto.






É bonito sim senhor. O gentleman Colin Firth está estrondoso, mas também o estão Geoffrey Rush e Helena Bonham Carter. O humor britânico anda por ali, bem espalhado. E é uma história verídica sobre cavalheirismo e lealdade, quem não gosta?






Estava ansiosa por ver. Não só porque adoro thrillers, mas também porque a obcessão, o perfeccionismo e a dualidade são temas que me interessam. O óscar de melhor actriz para Portman será mais do que bem entregue, valerá por muitos. Eu particularmente há muto tempo que não via uma prestação feminina tão boa. Mas isso sou eu.








Muito bom. Um anti-filme romântico, por isso ninguém se engane. É mais do que um drama, é um soco no estômago. É o Romeu e Julieta dos subúrbios, da vida às costas, do alcoolismo, das gravidezes indesejadas. E a Michelle... está estupenda, como sempre, um dia também levará o óscar para casa.








Seca. Muito seca. E muito sexo. E para quem, como eu, não tem particular afeição por medicamentos, é coisa para não estimular muito mesmo. Lá para o final até se lhe dá um jeito, mas pouquinho. Não percebi as partes em que era suposto rir.








THAT'S IT!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

domingo, 13 de fevereiro de 2011

E para juntar ao resto...

O Benfica anda a jogar de caraças que ninguém os pára.

WHAT THE FUCK IS HAPPENING TO THE WORLD?!?!

One more saturday, one more crappy night



And what do I do about the crappy nights??




Oh well, the band is still playing, so I still got the music.

Melhor abordagem de sempre numa disconight

"Olhem eu não quero fazer sexo convosco! Quero ser vosso amigo!! Eu p'ra fazer sexo prefiro pagar 50 euros a uma prostituta!! Vamos ser amigos!"

Betinho de nome João Miguel, de calcinha beige e blazer estilo marinheiro dixit. O mesmo que estava na pista de dança a fazer uma coreografia esquizofrénica, estilo pinguim com formigueiro nos pés, misturado com mão na zona privada à Michael Jackson.




Tudo é muito triste quando este se torna o melhor momento da noite.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

A rotina

Definitivamente não lido bem com ela. Seja no trabalho ou fora dele. Não consigo estar muito tempo a fazer a mesma coisa. Não sou feliz nem bem-sucedida nisso. E pior do que fazer sempre a mesma coisa, estar sempre no mesmo lugar! Blarghh.
Quando trabalhava na radiostation, fui muito feliz nos primeiros tempos, em que andava de um lado para o outro, no terreno, e que os dias nunca eram iguais. Quando fui confinada a fazer apenas o trabalho de estúdio, e por muito que eu goste de ser locutora, fui muito infeliz. Foi do pior.
Socialmente, também sou assim. Detesto ver sempre as mesmas caras, ouvir as mesmas conversas, e há pessoas que conseguem ser piores que um disco riscado…blá blá blá, whiskas saquetas e pardais ao ninho. Como sobrevivo? Vou mudando e mudando o disco como uma inconsenquente. Oh hell with it. É pela minha sobrevivência.




...

Sonhei contigo a outra noite. Sonhei que voltávamos a falar. Sonhei que estavas a meu lado. Sonhei que confiava em ti. E a tua mãe estava lá, sorriso de orelha a orelha por nos ver juntas como nos bons velhos tempos. Sonho. Não te odeio. Não sei odiar. Mas não voltaria a confiar. Mas parva sou, parva o suficiente para escrever sobre ti. Como se.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Amigo não empata amigo? - Cinismo no masculino

Tenho um amigo que achava/acha piada a uma cachopa. Ora essa cachopa foi trazida para o nosso “círculo social” por uma amiga precisamente para a apresentar/afiambrar a este meu amigo. Para além de querermos ver esta jóia de rapaz “casado”, todos nós tínhamos o conhecimento de causa e que ele lhe achava muita piada.
Há uma noite em que nos juntamos todos, e o meu amigo tem a grande oportunidade de chegar à cachopa.
O que acontece a seguir??? Estão a ver aqueles filmes americanos em que há um pobre coitado que faz tudo por uma rapariga, e de repente do nada aparece um qualquer que leva a miúda sem mais nem menos, deixando o pobre coitado de rastos..?
Bem, foi mais ou menos isto. Exceptuando que o “qualquer” é também um amigo que faz parte do grupo. Basicamente ele não despegou da moça. Literalmente. Nem tenho a certeza se respiravam sequer. E o meu amigo ali estava a um canto, a tentar aguentar as pontas e a fingir que se divertia (qual menina indefesa).
Até aqui tudo ok, dentro do possível, só que há uns dias, o “qualquer” (já que o comecei a chamar assim), organizou um jantar, e quando convidou o meu amigo, disse-lhe “olha que a M. também vai”, feito santo casamenteiro. Céus. Tanto cinismo que até dói.
Quem não conhece quem de direito não vai perceber a minha indignação mas enfim, eu tinha que escrever alguma coisa sobre isto…

Porque os gajos afinal também são umas bichas dissimuladas umas pás outras!!

Nota_ no meu estado normal nem sei se isto me importava, e tão pouco o vinha para aqui escrever. Mas excusez-moi, estou numa fase em que me apetece mesmo falar mal das pessoas. Chamá-las de bestas para baixo!! Bestas! Bestas! Imbecis! Muah haha… ESTOU MÁ COMO AS COBRAS! And I don’t give a danm.

Family, the curse you cannot escape


Cinco e meia da tarde:

Mãe – “ajuda-me a escrever um fim para a estória do galo na floresta que estava sempre a cantar”


Eu – “Mãe, menos”

Mãe – “era um galo que @€§§£§{]{[™ e @£§£§{[{[§™€€ …..”


Eu – [socorroooooooooooooooooooooo]

Meia-noite
- no meu quarto a ver Seinfeld, muito feliz da minha triste vida:

Mãe – “Cucu!! Ainda estou a pensar na estória do galo, o galo podia ir para um rancho folcrórico….”


Eu – “OH MÃEEEE!!”


Mãe – “Lá estás tu! Não te posso pedir ajuda!”


Eu – “Lá estou eu não, eu já ouvi isso há bocado, vai chatear o teu filho”


Na porta ao lado:


Irmão – “Qué'que queres??!”


Mãe – “venho-te contar uma estória…olha..”

Irmão - “NÃO QUERO OUVIR ESTÓRIA NENHUMA! TENHO MAIS QUE FAZER!! ELA ESTÁ PARVA!! @£@£§@£§@£§@£§@£!!”



A minha mãe ainda há-de descobrir como eu até sou um ser paciente e como ela perdeu o juízo de vez.



quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A modos que

como dizia o Carlos Lopes "hmm.... nada".


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Eu, a minha girl e a mãe dela

a tentar arranjar desculpas para nos desmarcarmos de um jantar de anos no sábado:

Eu - "arranjar uma desculpa com três dias de antecedência é complicado. Tipo, não me posso virar para ele e dizer 'olha sábado vou estar doente'".

A mãe dela - "como eu estou desempregada, sempre podem dizer que eu estou deprimida e com tendências suicidas e que têm de ficar comigo"

Ela - "já sei, temos que ir as duas ao Porto, e só chegamos por volta da meia-noite! Mas o que é que vamos fazer ao Porto?"

E assim ficou decidido que se diz "desculpa, não vamos".



Keep it simple. Well, that's how it is in my world.